top of page

Adolescentes do DF obrigadas a se prostituir são resgatadas no MT

Parceria entre polícias das duas UFs permitiu localizar jovens, de 15 e 17 anos, que eram mantidas em cárcere privado na cidade de Querência


Uma parceria entre as polícias civil do Distrito Federal e do Mato Grosso resultou no resgate de duas adolescentes moradoras da capital, de 15 e 17 anos, que foram aliciadas e obrigadas a se prostituir na cidade de Querência (MT). Elas ficaram mantidas em cárcere privado por uma semana e voltaram para casa depois que a Delegacia de Repressão a Sequestros do DF foi acionada.

O resgate aconteceu na última quarta-feira (26/5). A mãe da menina de 15 anos procurou a 14ª Delegacia de Polícia (Gama Centro) informando que a filha tinha desaparecido. Posteriormente, ela entrou em contato com a polícia para informar que estava no município mato-grossense.


“Ela foi convencida por uma amiga a ir para a cidade do outro estado com o objetivo de se prostituir. Depois de chegar ao local, a jovem se arrependeu e entrou em contato com a mãe, pedindo para voltar para Brasília”, afirmou um agente que participou da ação de resgate.

A casa de prostituição não deixava a adolescente ir embora por dívidas que ela teria adquirido no local. Duas mulheres cuidavam do estabelecimento, sendo uma responsável pelo gerenciamento e outra, pelo aliciamento. As duas exigiam o ressarcimento das despesas da viagem. Os agentes da PCDF orientaram a mãe a acalmar a adolescente, avisando às gerentes que pagaria o valor exigido.

Nesse meio tempo, a mãe deveria buscar informações que ajudassem os policiais a identificar as duas criminosas. A adolescente informou à mãe que não sabia o nome das mulheres, mas que as duas estariam envolvidas em facções criminosas e uma delas andava com tornozeleira eletrônica.


Sob orientação dos policiais, a mãe conseguiu que a adolescente enviasse a localização por WhatsApp. O local onde funcionava a casa de prostituição foi informado à delegacia de Querência. Os agentes do município fizeram uma primeira diligência, mas não encontraram ninguém no local. No dia seguinte, os policiais ficaram de campana em frente à casa.

Eles constataram que a menina de 15 e a amiga estavam em cárcere privado. As duas eram obrigadas pelas administradores do local a se prostituir. As responsáveis pela casa de prostituição foram presas.


Segundo o delegado Rogério Gomes, da Polícia Judicial Civil do Mato Grosso, há indícios de participação de outras pessoas nos crimes, por isso as investigações continuam.



Comments


FORTE NEWS REAL.png

Mais Notícias

bottom of page