top of page

Governador Ronaldo Caiado defende união para acabar com pobreza no país



“Goiás é capaz de apresentar para o Brasil um projeto para romper o ciclo da pobreza”, afirmou o chefe do Executivo goiano. Durante encontro, governador também ofereceu suporte para atendimento às crianças Yanomami


Ao levar os projetos prioritários de Goiás para o governo federal, durante reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os 27 governadores e governadoras, nesta sexta-feira (27/01), no Palácio do Planalto, em Brasília, o governador Ronaldo Caiado avançou na pauta ao defender a união de todos os entes federativos na missão de romper o ciclo da pobreza no Brasil.

“Olha só o nosso progresso na área social, o quanto Goiás já produziu de resultados. Somos capazes de apresentar ao Brasil um projeto para romper o ciclo da pobreza. Goiás hoje está preparado para isso”, ressaltou.

Caiado comentou que o presidente Lula sinalizou durante a reunião para vários projetos do governo federal na área social que poderão ser realizados em parceria com os estados. “Daqui a quatro anos, eu não quero estar comemorando o número de pessoas que estão incluídas em programas sociais, mas sim o número de pessoas que estão saindo dessa necessidade e dando espaço a outras que poderão entrar nessa inclusão. Esse é o motivo do meu segundo mandato”, reforçou o governador.


Projeto de fruticultura

Uma das três demandas elencadas por Goiás como prioritárias para receber o apoio do governo federal, a implementação do projeto de fruticultura no Vão do Paraná visa justamente a melhoria de vida de famílias na região mais vulnerável do Estado, que é o Nordeste goiano, por meio de emprego e renda, passando por capacitação profissional e outras ações conjuntas capazes de mudar o perfil econômico de toda a região.

“Uma região com microclima favorável e uma excelente oferta de água, onde nós vamos fazer um sistema de irrigação semelhante ao de Pernambuco, com a capacidade de assentamento de mais de quatro mil pessoas”, explica Caiado.

O projeto de fruticultura parte do favorecimento de cultivo irrigado, aproveitando o potencial das barragens do Rio Paranã e do Ribeirão Porteira, que demanda investimento de R$ 300 milhões do governo federal. Serão beneficiadas 4,5 mil famílias, em 45 assentamentos, com kits irrigação e a construção de 3 agroindústrias de polpas de frutas em Flores de Goiás, Formosa e São João D´Aliança.


BRT e hospital

Outra demanda levada pelo governador Ronaldo Caiado ao governo federal, a ampliação do BRT de Santa Maria (DF) até Luziânia faz parte dos investimentos que visam a melhoria de qualidade de vida em Goiás, sobretudo para a população do Entorno.

O BRT Luziânia prevê um investimento de R$ 420 milhões beneficiando cerca de 224 mil pessoas de Luziânia, Riacho Fundo, Cidade Ocidental e Valparaíso, que diariamente se deslocam para o Distrito Federal, seja a trabalho, comércio ou para utilizar serviços públicos de saúde e educação.


“É uma injustiça com os goianos e os que moram Entorno. Até Santa Maria vai no BRT, depois tem de enfrentar um engarrafamento enorme. Investir em mobilidade é investir em inclusão social. Romper o com o ciclo da pobreza é nosso maior objetivo e a Região Metropolitana do Entorno é uma das prioridades do governo”, destaca o governador.

Na área de saúde, a construção do hospital estadual do câncer em Goiânia será a grande prioridade dessa segunda gestão de Caiado. “Será a maior estrutura de tratamento de câncer de crianças. Só na primeira etapa são R$ 400 milhões. É uma obra relevante, já que nós sabemos que, hoje, mais de 14 mil crianças morrem no Brasil sem serem diagnosticadas ou tratadas”, afirmou. A unidade será construída às margens da BR-153, em Goiânia.


Socorro aos Yanomamis

Na entrevista coletiva após a reunião com Lula, Caiado anunciou que Goiás ofereceu suporte ao governo federal na condução do atendimento médico-hospitalar ao povo Yanomami, que sofre uma crise sanitária e humanitária. “Goiás não veio só pedir. Goiás ofereceu, também, leitos de UTI para crianças Yanomami que tiverem alguma dificuldade ou necessidade”, informou. “O Estado se coloca à disposição para recebê-las”, sublinhou Caiado.


Goiás tem se destacado nacionalmente no suporte a situações de emergência vividas por outras entidades federativas. Em janeiro de 2021, por exemplo, a estrutura hospitalar pública goiana recebeu pacientes com Covid-19 transferidos do Amazonas, em meio ao colapso no período mais crítico da pandemia. Também enviou equipes do Corpo de Bombeiros para auxiliar nas buscas por vítimas do rompimento de barragem em Brumadinho (MG), em 2019, e após enchentes em Petrópolis (RJ), no ano passado.


ICMS e Reforma Tributária

Governadores também solicitaram ao governo federal uma política de compensação para a perda na arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Segundo Caiado, a queda na arrecadação em Goiás foi de 39,2%, o que significa aproximadamente R$ 5,5 bilhões por ano.

“Espero que seja restituída aos Estados a condição de sobrevivência. Hoje a única fonte que temos de arrecadação é o ICMS. Isso precisa ser recuperado. É um clamor que ocorra um atendimento com relação às perdas que temos. O recurso vai fazer falta para a saúde, para a educação e para o social”, comentou Caiado. Ele informou que Lula escalou o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para acompanhar os governadores na condução do assunto junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda na audiência com o presidente da República também foi discutida uma reforma tributária. Caiado explicou, durante entrevista, que o assunto voltará a ser dialogado em outras reuniões – a primeira marcada para o dia 31 de janeiro, “onde será constituída uma comissão”.

Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás

Comments


FORTE NEWS REAL.png

Mais Notícias

bottom of page