top of page

Homem é suspeito de estuprar filha de três anos, em Bom Jesus de Goiás


Caso é investigado pela delegacia de Bom Jesus de Goiás — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Conselho Tutelar informou que menina foi resgatada com vários hematomas e precisou de atendimento médico. Polícia Civil investiga o caso e disse que exame pericial 'não constatou evidência de abuso'.

Um homem é suspeito de estuprar a filha de 3 anos, em Bom Jesus de Goiás, no sul do estado. De acordo com o Conselho Tutelar, a vítima foi resgatada após denúncias das avós e precisou de atendimento médico. A conselheira Queila Reis contou que a menina tinha vários hematomas.

“Fomos levá-la para as avós e vimos que ela estava cheia de feridas, inclusive nas genitálias. A levamos para o Materno Infantil, em Goiânia, onde ela foi medicada e liberada”, contou a conselheira.


O caso aconteceu no último sábado (18) e é investigado pela Polícia Civil. O delegado Gustavo Mendes contou que o exame de corpo de delito não apontou para conjunção carnal, mas, segundo ele, isso não significa que não possa ter tido algum tipo de ato libidinoso.


“O exame pericial não constatou evidência de abuso. Ou seja, o exame de corpo de delito deu negativo. Isso não afasta a suspeita de que tenha havido outro ato libidinoso, como relatou a vítima”, contou o delegado.


O suspeito se apresentou na delegacia, na última segunda-feira (20). Segundo o delegado, como o caso era recente e não havia mandado de prisão, ele foi ouvido e liberado em seguida.

“Ele negou. Alegou que a família da mãe da criança não gostava dele e que estavam lhe imputando o crime como forma de afastá-lo da filha, alegando que tais acusações seriam falsas”, disse o delegado.

O homem havia saído do presídio há cerca de 90 dias, pelo crime de receptação. O delegado disse ainda que, além disso, ele possui passagens por ameaça, dano qualificado e desacato. O caso continua sendo investigado pela Polícia Civil, que está ouvindo familiares e testemunhas.

O Conselho Tutelar informou que já acompanhava o caso devido à situação dos pais, que são dependentes químicos, segundo o órgão. A menina está com as avós durante a investigação.

Fonte: g1 Goiás


Comments


FORTE NEWS REAL.png

Mais Notícias

bottom of page