top of page

Padrasto é preso suspeito de estuprar enteada após ela denunciar na escola, em Goiás

Segundo investigação, mãe sabia dos crimes, mas só procurava ajuda espiritual e evitava contato da filha com outros parentes. Homem negou ter cometido abusos sexuais.


Trabalhador rural de 47 anos foi preso suspeito de abusar sexualmente da enteada — Foto: Reprodução/Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu um trabalhador rural de 47 anos suspeito de estuprar a enteada de 12 anos em Alto Paraíso de Goiás, no nordeste do estado. Segundo a corporação, as investigações começaram há cerca de 20 dias, quando a menina contou à diretora da escola em que estuda que estava sendo vítima do padrasto.


O homem foi preso na quarta-feira (18) e, segundo a delegada Bárbara Buttini, negou ter cometido qualquer abuso sexual contra a adolescente.

"Ele disse que tinha muito ciúmes dela sim, mas que a via como uma filha. Que ele a abraçava e passava a mão nos cabelos dela, mas que era apenas este o contato físico que tinham", contou.


O nome do padrasto não foi divulgado, por isso o g1 não conseguiu descobrir quem representa a defesa dele para pedir uma posição sobre o caso.


As investigações apontaram que a menina foi vítima dos crimes por cerca de dois anos, desde quando se mudou para a casa em que a mãe morava com o padrasto.


"A mãe se casou com ele [suspeito] há cerca de oito anos e a menina foi morar com a avó e com as tias. Há uns dois anos ela foi morar com a mãe e o padrasto, que foi quando os abusos começaram. Inicialmente teriam começado de forma leve e depois se intensificaram", explicou a delegada.

Ainda de acordo com ela, a menina contou para a mãe o que estava acontecendo, mas a reação dela foi buscar ajuda espiritual.


"Ela disse que a mãe levava ela e o padrasto a um líder espiritual, que fazia um trabalho. Os abusos paravam por alguns dias e depois voltavam a acontecer", contou Buttini.

A delegada também apurou que a mãe evitava que a filha tivesse contato com outros parentes. A principal suspeita é que ela tinha medo de que a adolescente contasse sobre o abusos a esses familiares.

No início de maio, a menina conseguiu denunciar os abusos à diretora da escola, que acionou o Conselho Tutelar e a Polícia Civil.

"A vítima foi ouvida por mim e por uma psicóloga, que constatou que os relatos dela eram muito consistentes. Ela também passou por exames físicos, tudo isso sem o conhecimento da mãe, para que não houvesse risco de ela atrapalhar as investigações", contou a delegada.

Também de acordo com Buttini, desde a constatação dos abusos, a vítima passou a morar com a tia para ficar em um ambiente protegido.

Por causa do comportamento da mãe, a Polícia Civil está investigando se ela deve ser responsabilizada por omissão - não ter protegido a filha dos abusos do padrasto.


SIGA NOSSO INSTAGRAN

Fonte: g1 Goiás.

Comments


FORTE NEWS REAL.png

Mais Notícias

bottom of page