top of page

RS: após centenas de cães afogados, defensores pedem fim de correntes



Durante o trabalho de resgate de cães, gatos e demais pets atingidos pelas enchentes no Rio Grande do Sul, defensores dos animais flagraram cenas de terror: centenas de bichos morreram afogados por estarem acorrentados. Para evitar mais perdas, ativistas defendem a proibição do uso de correntes em todo Brasil.


Mobilizado para salvar os animais desde 1º maio, o Grupo de Resposta a Animais em Desastres (Grad Brasil) conseguiu resgatar mais de 1,2 mil pets. A instituição contou com o apoio do Fórum de Defesa Animal.


Em um vídeo, três corpos de cães presos por correntes estão deitados lado a lado. “A questão das correntes nos preocupa muito desde antes deste desastre. Porque as águas sobem muito rápido e as pessoas não têm tempo de tirar seus os animais ou não estão em casa no momento”, comentou a presidente do Grad Brasil, Carla Sassi.


Os ativistas também conseguiram salvar alguns animais acorrentados após as chuvas fortes, a exemplo do cão Preto, quase submerso pelas águas. O salvamento contou a ajuda de Marilyn Nascimento. Carla Sassi lembrou do episódio de um grupo de vários gatos presos dentro de uma casa. Com cuidado, os ativistas conseguiram resgatá-los com vida.


No Distrito Federal, a Lei 6.787/2021, sancionado em 2021, proíbe a manutenção de animais em correntes ou objetos semelhantes que prejudiquem a saúde e bem-estar dos bichos. No entanto, segundo o Fórum de Defesa Animal, falta fiscalização e a legislação local também precisa de aperfeiçoamento.


O Grad Brasil defende a inserção dos animais nos planos de contingência para desastres. No cenário pós-desastre, Carla destacou a importância do protocolo sanitário, com vacinação e castração. Também é necessário a definição de um futuro dos bichos. Para a ativista, a destinação dos sobreviventes é responsabilidade do Poder Público.


“O que passou a gente não consegue evitar. Aconteceu. Mas que gente consiga mudar o futuro com boas propostas e resultados efetivos”, assinalou Sassi.


Segundo Ana Paula Vasconcelos, advogada do Fórum de Defesa Animal, a tragédia do Rio Grande Sul expos uma face muito cruel da relação humano e animal. Para a ativista, o uso de correntes é crime, porque tira liberdade do bicho expressar o seu comportamento natural e, de certa forma, mata aos poucos o pet.


“Centenas de animais morreram porque estavam acorrentados. Esperamos que dessa tristeza toda e dessas imagens chocantes que as pessoas passem a se conscientizar”, comentou.


Adoção

Diante dos abrigos superlotados, os ativistas defendem a adoção dos animais resgatados. Quem tiver interesse e condições de adotar pode entrar em contato com o Fórum de Defesa Animal pelo WhatsApp 61 982-154-751. Ou com o Grad Brasil pelo Instagram.

Fonte: metropoles


Commenti


FORTE NEWS REAL.png

Mais Notícias

bottom of page